Roma – Parte IV

13 Abril, 2014 0 Por Piki
E para acabar esta viagem por Itália, vou falar-vos do último dia em Roma que acordou chuvoso e com a maior trovoada que já vi na vida, só sorte, saímos de Lisboa e trovejava que só visto e a voltar foi o mesmo drama!
Não posso acabar Roma sem vos dizer que ali no bairro Trastevere, há um cafezinho delicioso que era onde tomávamos o pequeno-almoço todas as manhãs e onde almoçámos no último dia. É o “Bar Lillo” foi a Sylvie que sugeriu e é barato e muito bom, arrisco a dizer que tem dos melhores “cornettos” (croissants) de Roma!

Usámos o último dia em Roma para umas compras de última hora e ver alguns monumentos que não tínhamos conseguido nos outros dias!
Um deles foi a Igreja Santa Maria in Cosmedin, onde está a famosa Bocca della Verità.
Confesso que a igreja não é muito apelativa, é muito escura por dentro e tem um cheiro estranho. A atracção principal e que faz meeeeega fila é a máscara em mármore de um homem com a boca aberta que antigamente se acreditava morder a mão de um mentiroso que a introduzisse na abertura. Paga-se 0,50€ para tirar uma fotografia com a nossa própria máquina, está lá um senhor a controlar a sessão fotográfica e a defender os interesses do senhor barbudo de boca aberta! Dica: usem o modo sequencial para tirar fotografias, assim tiram várias e o senhor nem se apercebe da aldrabice! O horário de funcionamento é das 9h às 17h, fecha um pouco mais cedo que as outras, daí ter ficado para o último dia…
Fomos também ao novo mercado Esquilino, um mercado multicultural nos arredores da estação Termini.
Tem imensas bancas com peixes, carnes, frutas, legumes, especiarias, leguminosas e afins! Para fazer um prato asiático também não faltam lá ingredientes! Adoro mercados, acho que são um regalo para os sentidos e é onde se vê o dia a dia dos locais.
Almoçámos já tarde no Bar Lillo para irmos buscar as nossas coisas ao apartamento e irmos para o aeroporto. Há várias formas de se ir para o aeroporto Fiumicino, nós escolhemos ir de comboio, como não íamos cheios de pressa era o meio de transporte mais rentável, pagámos 8€ cada um e demorámos cerca de 30 minutos.
Viemos de easyjet, com trovoada como não podia deixar de ser, os preços do voo já referi no primeiro post sobre Itália. Que saudades que tinha de Lisboa!!